Qual a melhor referência para os Fundos Multimercados?

Danilo Brito, CFP®

Diante de momentos peculiares em nossa economia e com uma taxa Selic no seu menor patamar da história (2%aa), surge uma questão relevante para os investidores: qual a eficácia em se utilizar o CDI como benchmark para investimentos de risco moderado, principalmente para fundos Multimercados Livre? Vamos analisar uma opção interessante que podemos utilizar para esses fundos de investimentos.


O que é um benchmark?

Benchmark nada mais é que “um indexador de largo uso e que funciona como referência” (Fortuna, 2017). Em outras palavras, é uma parâmetro para sabermos se nosso investimento está indo bem ou não, de acordo com o mercado onde investimos. Na indústria de fundos de investimentos, por exemplo, é amplamente utilizado o Ibovespa (principal índice da bolsa brasileira) como benchmark (referência) para os fundos de Ações Long Only. Para os fundos de investimentos que investem em títulos públicos atrelados à inflação, é utilizado o IMA-B. Já com os fundos de investimentos que aplicam em títulos públicos pré-fixados, utiliza-se o IRF-M. Já os fundos de investimentos conservadores, aqueles atrelados à taxa CDI, utilizam essa mesma taxa como parâmetro e os fundos Imobiliários (FII) utilizam o IFIX. Até aqui, podemos notar que sempre é comparado “banana com banana”, pois em um fundo conservador como os fundos DI, não posso utilizar como benchmark o Ibovespa, são riscos diferentes e mercados diferentes. Mas, como veremos adiante, nem sempre isso ocorre e principalmente em fundos multimercados.


A indústria de fundos multimercados no Brasil:

Fundos de Investimentos Multimercados são entidades organizadas sob a forma de condomínio onde o destino dos recursos é ser alocado em diversos ativos financeiros como ações, renda fixa, moedas, commodities entre outros. Ou seja, o gestor poderá diversificar a carteira em muitos mercados (sempre seguindo a política de investimento do fundo) para obter o melhor retorno. A Anbima – Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais – classifica os fundos multimercados por estratégias e riscos, para facilitar a escolha por parte do investidor. Temos os seguintes tipos de Fundos Multimercados: Multimercados Balanceados; Multimercados Dinâmico; Multimercados Capital Protegido; Multimercados Long and Short Neutro e Long and Short Direcional; Multimercados Macro; Multimercados Trading; Multimercados Livre; Multimercados Juros e Moedas; Multimercados Estratégia Específica e Multimercados Investimento no Exterior.

Na última década o número de fundos multimercados no Brasil cresceu mais de 100%. A média de crescimento de novos fundos entre 2006 e 2016 foi de 425 por ano. De 2017 até novembro de 2020 essa média subiu para 831. O Gráfico I mostra essa evolução e da indústria de fundos.


Gráfico I. Evolução quantidad