A Poupança e o Status Quo


No último mês de agosto a Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) divulgou uma pesquisa intitulada “Raio-x do investidor brasileiro”. Nessa pesquisa conseguimos observar como o brasileiro está se comportando em relação a seus investimentos. São vários os dados abordados, mas o que mais me chamou a atenção foi que “89% dos brasileiros investem em Caderneta de Poupança”.

“Preferência nacional, a poupança é o principal destino das economias dos investidores brasileiros. O perfil predominante é daqueles com mais de 25 anos, maior escolaridade, renda superior a dois salários e pertencentes às regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste (39%).”

Claro que isso nos leva há alguns questionamentos, como por exemplo, do motivo que leva a maior parte da população (com maior escolaridade, como é a predominância) a investir em algo que tem um dos piores retornos do mercado.

São várias as possíveis respostas para essa questão, nesse artigo vou ficar com uma das possibilidades que é conhecida como Viés Comportamental do Status Quo.

Antes de explicar o que isso significa, vou mostrar o motivo pelo qual falei (na verdade escrevi) que a poupança tem um dos piores retornos do mercado.

  • O que é Caderneta de Poupança?

A Caderneta de Poupança Tradicional é uma das formas da Instituição Financeira (a rigor, instituições que compõem o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo, que são: as Sociedades de Crédito Imobiliário, Bancos Múltiplos com carteiras de Crédito imobiliário, Associações de Poupança e Empréstimo e Caixas Econômicas) de captação de recursos.

As regras de captação atualmente estão definidas pela Resolução 3.549, de 27 de março de 2008, com suas posteriores alterações.